WhatsApp e o mercado imobiliário – Parte 2

Continuamos essa semana a sequência de artigos sobre o WhatsApp e o mercado imobiliário. Nesta segunda parte abordaremos as diferentes formas de comunicação que o aplicativo permite e como usá-las em cada circunstância.

Embora o aplicativo tenha nascido como uma ferramenta de troca de mensagens hoje é possível compartilhar áudios, vídeos, fotos e outros tipos de documentos. A questão está em saber como utilizar cada um deles e em qual momento mais apropriado.

Mensagem de texto

Esse é o meio mais simples e direto de se enviar conteúdo a alguém: a mensagem de texto, digitada a partir do teclado do celular ou do computador. É simples o suficiente para chegar ao destinatário e a pessoa tem acesso rápido.

Está com sinal fraco ou internet com velocidade reduzida? A mensagem de texto é leve o suficiente para chegar ao destinatário. Procure sempre dar preferência a esse meio de comunicação.

Mensagem de áudio

Deve ser usado com mais cautela. Será que é realmente necessário enviar uma mensagem de áudio inteira só para perguntar se o cliente gostou da visita? Não é mais prático enviar uma mensagem de texto?

Além disso, não é em todo o momento que o seu cliente poderá ouvir o áudio. Se estiver em uma reunião, a mensagem de texto é muito mais prática (e discreta) para ser lida e respondida.

No entanto, a mensagem de áudio é mais prática em outros casos. Se o destinatário estiver dirigindo, por exemplo, ouvir a mensagem (especialmente se o celular estiver sincronizado com o sistema de áudio do automóvel) é muito mais simples e evita acidentes.

Vídeo

É um vídeo de um imóvel que deseja apresentar ao seu cliente? É muito provável que esse vídeo esteja publicado no YouTube e você deve dar preferência do envio do seu link. Enviar um vídeo por WhatsApp é algo bastante custoso em termos de pacote de dados e o resultado pode ser frustrante.

Além disso, é possível configurar o aplicativo para receber esse tipo de mídia apenas conectado em WiFi. Essa é, a propósito, a recomendação que se faz quando se configura o aplicativo pela primeira vez e é bastante provável que o seu cliente tenha feito isso.

Fotos

O WhatsApp permite o envio de fotos e muitos corretores utilizam esse recurso para enviar fotos de imóveis. Faça isso apenas com autorização do cliente (pergunte sempre se o cliente prefere receber as fotos por WhatsApp ou por e-mail). Do contrário, você poderá inundar o celular de fotos sem autorização e acabar mais cedo com o seu pacote de dados.

Lembre-se sempre de enviar as fotos originais, a partir do arquivo. Nunca, em hipótese alguma, fotografe a tela do computador!

Documentos

Mais recentemente o WhatsApp passou a permitir o envio de outros documentos, como PDFs, por exemplo.

A recomendação das fotos é a mesma neste caso. Pergunte antes ao cliente se ele deseja receber a cópia da minuta de contrato, por exemplo, por e-mail ou WhatsApp. Como trata-se de um recurso relativamente novo nem todas as pessoas tem familiaridade com esse tipo de recebimento ainda, sem falar da questão do pacote de dados.

Perdeu a primeira parte da série de artigos? Fique ligado em nosso blog. Em breve traremos a terceira parte do artigo especial sobre o WhatsApp com dicas de divulgação e regras de etiqueta.

Uma ideia sobre “WhatsApp e o mercado imobiliário – Parte 2

  1. Pingback: WhatsApp e o mercado imobiliário – Parte 3 | Blog do fastbroker

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *